Gazeta Regional
Quarta-Feira, 26 de Julho de 2017

Política

Prefeito denuncia empresa por fraude em licitação

15/05/2017 - 18:20

Foto: Adilio Ratto Jr./Rádio Camaquense

O prefeito de Camaquã, Ivo de Lima Ferreira, revelou no programa Ligação Direta da Rádio Camaqüense, que denunciou na Polícia Civil, uma empresa suspeita de fraude em licitação para a sonorização de eventos realizados pela Secretaria de Cultura, Turismo, Lazer, Desporto e Juventude (SCTLDJ).
O prefeito contou que na terça-feira (9), recebeu da referida secretaria um documento com intenção de recursos para a festa de aniversário do município na ordem de R$25 mil reais. “Diante de tanta polêmica, pedi a documentação. Pois as festas já tinham acontecido e disse não vou assinar nada sem ver a documentação”, disse o prefeito.

O prefeito encarregou a servidora Cristiane Cunha, que o assessora na Secretaria Especial de Governo, para auxiliá-lo na análise da documentação. “Aí que é que veio a minha surpresa. Havia três negativas falsificas, da empresa Actos Line. Fiquei perplexo”, afirma Ivo.
O prefeito diz que pediu esclarecimentos ao Secretário da Cultura Flavio Medeiros, que justificou que o processo de contratação do som ocorreu durante o tempo que Suzete Santin era responsável pela pasta e que não tinha conhecimento.

Foi aberto um processo disciplinar para apurar as responsabilidades dos servidores, um processo especial contra empresa que prestou o serviço e o registro de um boletim de ocorrência na Polícia Civil.  “Vamos investigar e ver quem é culpado. O setor de licitação falhou, o jurídico falhou e por parte da Secretaria da Cultura nem se fala. No momento que você chega numa secretaria, à primeira coisa que você vai ver é se aquilo que você está assumindo está legal”, criticou o prefeito.

Ivo disse que daqui para frente vai mais vigilante, porque entende que existem pessoas de má índole com a intenção de lesar o município.

O prefeito ainda revelou que abrirá outros processos para apurar as diversas denúncias de supostas irregularidades do governo passado nas secretarias da Agricultura e Saúde. “Se precisar nós vamos abrir os processos. Acho que também é de interesse do governo passado, esclarecer isso aí”, pondera Ivo.  

Contraponto da empresa Actos Line

Procurado pela Gazeta Regional, o empresário Leandro Spiering, proprietário da Actus Line Produtora, emitiu nota apresentado sua versão sobre os fatos.

"A empresa Actos Line é cliente de um escritório de contabilidade terceirizado, e eu não tinha conhecimento quanto à origem de negativas solicitadas, porque quem fazia a busca das mesmas era o referido escritório. A empresa não participa com freqüência de licitações porque atua em outras áreas de eventos.

Nossa empresa não solicitou alteração nos documentos e não tínhamos conhecimento desta situação, omitida pelo escritório. Não agi de má fé. Sou tão vítima quanto à prefeitura. No momento que tomei conhecimento, busquei esclarecimentos e também estou tomando as medidas cabíveis e não admito que seja culpado. Pois me sinto vítima também.
Afirmo que assim que fui informado pela prefeitura da Chuvisca e de Camaquã, requeri junto ao escritório, que é terceirizado, a regularização imediata da empresa e já possuo em mãos todas as negativas.    

Também queremos esclarecer que nossa empresa nada tem a ver com verbas da Corsan, no valor de R$ 25 mil reais, mencionado pelo prefeito em sua entrevista. A empresa participou apenas de um pregão presencial e realizou o trabalho de sonorização no aniversário do município pelo menor valor, apenas R$ 5mil e 700 reais por três dias de trabalho envolvendo uma estrutura de grande porte. Evento que foram solicitadas as referidas negativas.
Reafirma o empresário que não agiu de má fé e é tão vítima quanto o poder público e que as providências estão sendo tomadas",
concluiu o empresário.


Banner 1
Banner 1
Banner 1